quarta-feira, 6 de julho de 2011

Sobre dor x Sofrimento opcional - Devaneios debaixo do chuveiro!!

Pra mim, um dos momentos de maior reflexão e "devaneios" é a hora do banho... dps de um dia de trabalho, indo direto pra escola, chegar em casa, nesse frio e ir direto pro chuveiro quente, me faz entrar numa espécie de mundo paralelo à Partolândia, que é dentro de mim mesma. Fico lá, absorvendo tudo o que li nessa lista, durante o dia!
Esses dias, lendo tantos e-mails a respeito de medo da dor, opção pela cesárea, esperar entrar em TP ou fazer uma eletiva, sei lá porquê cargas d'água, me fizeram pensar numa comparação um tanto curiosa, até mesmo pra mim que desenvolvi essa idéia...
Alguém aqui tem tatuagem?? de qualquer jeitinho... no pé, nas costas, pernas, braços??
E quem não tem, certamente já viu alguem que tenha, certo?
(img net)
Um colega de trabalho uma vez, resolveu tatuar um sol maia nas costas (aqueles bem pretos, totalmente pintados). Entre o riscar e finalizar, foram qse 7 horas de trabalho. Eu nunca fiz, mas ele falou que doeu pra c** (não vou repetir, mas foi ele quem falou), mas que valeu a pena pois aquele sol era o sonho dele. Dps ainda, meu marido que o tinha acompanhado, ajudou ele a limpar o excesso de tinta. Foi encostar a toalha e ele gritou: "P*... que isso cara?" e meu marido "Ué, vc quem pediu, não foi? p limpar, tenho que esfregar um pouco..." e ele "Ah... bom, então vai, manda brasa, vai lá, esfrega igual homem que eu aguento...hhuummm..."... meu marido contando a cena dps, com uma boa dose de encenação humorística, a cena ficou cômica...
Agora meu devaneio: Tanta gente, fazendo tatuagens aos montes pelo corpo, das mais variadas formas, desenhos, frases... nunca vi alguem falar que precisou de anestesia pra "não sofrer" enquanto era tatuado. Oras... afinal, a decisão, a idéia e a iniciativa de passar por aquilo foi do próprio tatuado, certo??? Aposto que nenhuma pessoa que fez a opção por se tatuar, vai dizer: "eu quero tatuar, mas tenho medo de agulha. vou pedir pra me darem anestesia e tomara que eles não furem muito a minha pele..." (oi?). quem opta por passar pela "dor" de ser tatuado é pq tem um objetivo final e ninguem o tira daquele foco... e vai perguntar se o cara sofreu pra tatuar... a resposta vai ser +- essa: "Sofri nada, doeu um pouco só, mas passa logo, ficou da hora não é? Esse era meu sonho, realizei..." (isso soa familiar pra alguém?)
Quem opta por um parto natural, domiciliar, hospitalar, sem intervenções e afins, já está consciente do que vai enfrentar. Pra quem já conhece todo o procedimento, todo o trabalho do corpo, em como funciona tudo, já trabalha tudo em sí para aceitar todo o processo como natural, como um bom trabalho do corpo e a dor torna-se para ela então, uma fonte de certeza de que o objetivo final vai ser alcançado (no geral) e o sofrimento então, deixa de ser o mostro perseguidor. Existe a dor, mas não o sofrimento.
Agora, quem diz que quer se tatuar, escolhe aquele dragão chines enorme que começa no ombro e termina na cintura, não procura conhecer os instrumentos de trabalho do tatuador, não conhece o processo de tatuagem, não conhece as tintas, não sabe do que são feitas, não conhece as agulhas, a máquina e o lugar, corre o risco de chegar no ateliê, olhar tudo aquilo, dar meia volta e se contentar em comprar um PLOC (lembram desse chiclete?) e tatuar a figurinha na pele, no ombro ou na batata da perna, apenas passando a unha sobre ela...
Arlene Ferreira de Paula Azevedo - que não tem tatuagem e não tem coragem de fazer, mas acha bonito desenhos de flores e estrelinhas, que encararia 10 partos naturais sem maiores problemas e que quando entra no banho, esquece da vida e fica viajando na maionese...
Mãe da  Verônica Maria - 1a - PNatH
"Estagiária" de doula

*******************************************************************************
Fiz esse post na Lista Parto Nosso, que participo e fiquei muito feliz com a repercussão que teve. Posto aqui alguns comentários a respeito desse texto:

"Arlene, a sua comparação é perfeita.
É isso mesmo! A escolha do que fazer com o nosso corpo é nossa. E é nossa obrigação buscar os recursos que mais nos convenham pra nos dar aquilo que a gente precisa.

E complemento com o verso de Carlos Drummond de Andrade:



A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento,perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional...."

Mariana Whitehead Guimarães

********************************************************
Interessante a tua comparação, Arlene. Bem pertinente, inclusive.
Eu tenho tatuagens. 3. No dedo, braço e tornozelo. E realmente, dói. Não lembro se doeu depois, mas na hora realmente doía. Eu pedia pro cara parar às vezes, pra eu respirar, mas logo começava de novo. E, enfim, eu pensava que era uma escolha minha, a dor. Afinal, o objetivo maior era a tatuagem.
Agora, às vezes me pego pensando se vou aguentar a dor do parto. Penso se não vou desesperar e pedir penico. E sempre (quando digo sempre é sempre mesmo, inclusive agora, enquanto escrevo o e-mail) que eu penso nisso o Rafael chuta, só pra me lembrar do objetivo maior. É, eu aguento.
Lúcia
*Essa foi a que mais me tocou...
****************************************************************
Tadinho... fikei com dó XD (img net)
Meu cunhado é tatuador.
Resolvi fazer um símbolo celta, pequeno, um trikelis, uma tríade
representando minha nova família.
A mulher dele me disse: ah,vc pariu em casa nega, vai tirar de letra!

meniiinas do céu!
Quase morri,hahahaha
num guento, puxei a perna, borrei o troço q ficou meses inacabado,
enfim, eu implorava: cade minhas endorfinassss???

adorei o exemplo e ponho outro: alguem viu o fantastico domingo?
Maratona no gelo.
Pergunta la pro maratonista se doi!
Pergunta se ele desiste por causa da dor.
O maratonista sim ta mergulhado em serotoninas e endorfinas tbem.

ps: a cunhada tem 2 cesas eletivas e umas 15 tatuagens.

escolhas!!

bj
anna
*****************************************************************

"O sofrimento é passageiro,
desistir é para sempre"
Monica Fonseca
*************************************************************************
Arlene,
Perfeita comparação! Aqui na lista não só tem tatuados, como tem até tatuadora (eu!) pra endossar o que vc falou. [...] posso te dizer pelas minhas motivações e pelas dos meus clientes, que tem sim de tudo nesse meio: gente que quer se tatuar e pesquisa tudo antes de se decidir, gente que chega no estúdio e pede pro tatuador escolher o que e onde tatuar, gente que quer se tatuar mas nunca pensou que dói, gente que quer tanto que nem sente, gente que quer muito mas chora o procedimento todo, gente que cuida da tattoo com enorme carinho, gente que sai do estúdio e enche a cara e come linguiça (imensos "não-não" do manual da boa cicatrização da tatuagem), gente que não pensa que depois da tattoo tem um período chato de cicatrização que exige dedicação, gente que vai ferrar a tattoo toda pegando sol, gente que nunca mais vai pegar sol pra ter sempre um trabalho bonito, gente que escolhe a tattoo pelo preço, gente que escolhe o tatuador pelo preço, gente que depois quer brigar com o tatuador que fez um trabalho ruim mesmo tendo escolhido pagar pouco e fazer com aquele mesmo...
Delícia era tatuar quem queria muito, pensou bastante, sabe o que quer, pesquisou, pagou o preço e vai cuidar com carinho do seu trabalho. Infelizmente essa era a imensa minoria.
Uma grande parte dos "primítattoos" (quem se tatua pela primeira vez na minha língua doida) pergunta se dói. Eu sempre dizia: "a dor que você vai sentir é inversamente proporcional à vontade que você tem de fazer a tatuagem". Hoje, com esse pensamento à luz das minhas divagações, leituras e conversas sobre parto, eu acrescento que não é só. Você precisa estar conectado com essa vontade, com esse sonho, com esse objetivo para superar a dor das agulhadas para atingir um objetivo querido. Mas quem quer muito, geralmente está. E eu te digo que elas podem ser insuportáveis, dependendo do dia, local, e da vontade que vc tem de fazer. Já fiz tatuagens de pedir arrego no meio e tentar terminar depois (geralmente são aquelas grandes que vc fica anos pra ter coragem de revisitar), mas já fiz outras que eu não senti nada, conversei, falei ao telefone, ri, me diverti fazendo. E vi isso em milhões de clientes. Tem gente que desmaia, chora, grita, geme, se contorce todo, que chega dar dó de verdade e tem gente que tá nem aí, parece que nem tá sentindo. Tatuagem é um sonho(o parto tb). Dói sim, dói muito. Mas a gente faz porque geralmente elas significam um sonho, o marco de uma etapa da vida, uma homenagem, uma saudade, uma declaração, uma insígnia, a exteriorização de um conceito, uma idéia, uma motivação ou razão para esta. E normalmente essas coisas valem um esforço, valem o processo, valem o rito de passagem que é fazer uma tatuagem. Então a gente encara, com ou sem medo, de livre e espontânea vontade.
Claro que existem aqueles que querem se tatuar, mas não estão dispostos a sentir dor. Geralmente suas motivações são fracas. Esses desistem antes, choram, se arrependem, não pagam o preço. À estes eu era direta: "se você não sabe o que fazer ou não tem certeza, não faz. Volta pra casa e pensa mais um pouco." - da msm forma, eu já doulei mulheres que apenas diziam, da boca p fora, que keriam um PN e levando em banho maria, acabaram em uma cesáreana por motívos fúteis... não estavam verdadeiramente motivadas!!
E as similaridades com o parto não terminam aí. Existem técnicas para alívio da dor, que geralmente envonvem relaxar, respirar e se entregar ao processo. ;) E estas foram testadas pessoalmente.
Legal essa comparação. Acho que ambas as situações (parto e tatuagem) mexem com nosso inconsciente, com coisas interiores, em graus BEM diferentes, lógico, mas que funcionam bem pelo mesmo caminho.
Beijos coloridos,
--
Ana Paula Kacurin
(essa foi show né gente...)
*********************************************************************************************************************************
Nossa, tem tantas dores piores que a "Dor do parto" !

Até hoje lembro perfeitamente da dor que senti quando quebrei a perna por um atropelamento há 21 anos, dói só de lembrar...
Também lembro da dor que senti quando quebrei o dedinho, na guilhotina da janela, isso tem 10 anos...
Lembro de muitas outras dores, as crises de sinusite intermináveis desde a infancia, dor de ouvido...etc. (Deus que me livre... isso dói pra caramba... :s)
E curiosamente NÃO LEMBRO  das dores do MEU TP, há 6 anos,lembro que doeu, mas senti um alivio e felicidade tão grande quando vi MINHA CRIA que esqueci de tudo...( e olha que foi um frank, com tudo que tem "direito" e 2 episios), do TP lembro da sede que senti, lembro da fome, mas da dor...passou! Olhar a coisinha mais linda e cabeluda do mundo me fez esquecer de qualquer dor....

Antonieta, que por falar em dor, está morrendo de dor de cabeça e dor de coluna, devido ao frio...
********************************************************************
Pra mim, tudo é questão da motivação.
O Vi diz que eu "não vi a dor do parto" simplesmente porque não tava
nem aí pra ela. Acho que faz sentido. Mas ontem fui contra meus
instintos [...] e tomei a maldita vacina da gripe para gestantes[...]A picada eu nem senti, mas quando a mulher soltou o líquido, queimou e ardeu como a morte[...]A bendita da dor irradiava pras costas, pras pontas dos dedos. [...] E
o vi: pode ser viagem, mas pra mim, muito disso é porque você não
aceitou a vacina. ... metade desse sofrimento é psicológico! Você não fez a metade desse escândalo pra ter um filho. E eu: é que ter um filho dói muito menos. Ele: não é
o que todo mundo diz!!!
HOje, a menina chegou pra trabalhar e eu tava só o coió. Cara
inchada de falta de sono, agora literalmente chorosa, porque não
aguentava mais aquela dor desgraçada no braço,
e ela: mas Jo, tu não teve filho em casa?

É a velha questão do "quem tem um para que, pode suportar qualquer
como". Isso vale pro parto domiciliar. Pra quem acredita que a vacina
vai salvá-lo do mal; pra quem acredita na taguagem como forma de
expressão de um discurso além das palavras; pra quem faz maratona no
gelo. Não acredite o bastante, e as chances da dor parar de fazer
sentido e doer ainda mais são grandes. Não digo que é o único fator
determinante, mas, certamente, ´um fator determinante.

Beijão,

Jo
(muito interessante, não??)
*********************************************************************

Eu fiz uma tatto super significativa pra mim, pouco depois que meu filho nasceu. Eu queria muito ela. É pequenina, eu não vejo, é nas costas, mas amo de paixão meu desenho.

Por mais que eu quisesse e precisei desse "querer" para ter coragem de sentar lá e falar "Pode começar"... eu senti dor, eu passei pomada anéstesica pra ver se melhorava a dor... eu lutei contra a dor, mesmo querendo muito.

Então nessa comparação de Tatto X Dor do Parto, tenho uma conclusão: "Tô me borrando de meeeeeedo" da dor do parto! Pronto falei!

Medo de não aguentar... e pedir anestesia, cesárea e tudo mais que me faça fugir da dor!

kkkkkkkkkkkkkk

Acho que foi só um desabafo... passou, passou... ou até o parto passa..rrss

Samantha - mãe do Théo(cesárea por falta de dilatação) e neném com 13 semanas
********************************************************************

Samantha, no TP a gente pensa mesmo pq inventou essa maluquice, o que eu está querendo provar, que podia ter marcado logo a cesa, é normal, o que não podemos é nos deixar abater por esse sentimento que nos invade quando estamos na partolândia. Tudo isso passa, a sensação de dor, o medo do fracasso, o medo da morte que algumas têm, e o resto fica. A superação, a perseverança e mais, muito mais que não pode ser listado pois nem é concreto, rs. Dá saudade depois, bendita ocitocina!
Beijocas.
--
Rebeca/ MG
Doula e Mãe de Breno e Alice
*************************************************************************************************************************
E você? Faria uma tatuagem? Encararia um PN??

2 comentários:

Aline disse...

Amei amiga!!!Arrasou!!
Eu tb passaria por 10 partos naturais... Tenho muita vontade de fazer uma tatuagem bem pequenininha, mas tenho um medoooo, rs...
Bjs!! Minha doula do coração!

Sweet Toxicant disse...

Nossa, vim parar aqui beeem atrasada, mas achei FANTÁSTICO seu blog e esse tópico!!
Estou na segunda gravidez, a minha primeira foi parto normal mas em um convênio meio ruinzinho que não me ajudou muito. Me deixaram deitada o tempo todo, até me acompanhavam, faziam a cardiotoco e falavam gentilmente comigo, mas eu ficava ali imóvel sem poder andar, me movimentar, etc. Resultado: a dilatação não evoluiu e como eu já estava sem líquido, tiveram que estourar a bolsa e aplicar a ocitocina sintética. Deu certo, não me arrependo, doeu mas nem lembro da dor. Meu marido que acompanhou o parto disse que eu gritei bastante, e que em um determinado ouviu um "ploc" saindo da vagina. Eu não ouvi nada, só estava concentrada em ver logo minha filha rsrsrs.
Meu próximo parto está previsto para até dia 27/12/2014 e quero que seja normal também. Não exatamente por ideologia, por moda (acredite, tenho visto muita mulher aderir ao PN porque está na moda), nada disso. Simplesmente porque tenho convicção que é o melhor para o bebê (salvo exceções e casos de gravidez de risco) e para a mãe. E também porque tenho PAVOR de anestesias. Não pela picada, pois tenho asma, rinite e alergias diversas desde criança, tive 20 pneumonias e em cada uma além de ficar internada com soro na veia por uns 10 dias, depois da alta ainda tinha que tomar entre 16 a 20 penicilinas (manhã e noite) no bumbum. Mas tenho medo de ter alguma reação com a anestesia. E também tenho pavor da ideia de fazer um corte bem na barriga, onde vai ficar visível, sem necessidade.
Também já fiz tatuagem, uma só, nas costas. Adoro ela, não me arrependo, pesquisei bastante antes de decidir. Lembro que doeu, mas eu comparei a algo como uma dor de cabeça: é incômoda, mas você não morre dessa dor e uma hora ela passa... A mesma coisa falo pras trilhões de penicilinas e soros na veia que já tomei por conta de problemas de saúde.
As pessoas se focam muito na DOR do parto, mas se esquecem que ela é só uma consequência do fato maravilhoso de você estar trazendo ao mundo um serzinho que é parte de você, de maneira saudável. E ela passa tão logo o bebê tenha saído de você, e exceto pelo cansaço físico, em pouquíssimas horas você já estará andando e fazendo tudo sozinha, sem cicatrizes, sem pontos (exceto no caso da episiotomia, mas nem se compara com os da cesárea). Enfim...
Perfeita sua analogia neste post!

Parabéns!